Mães e pais - exemplos para os filhos

Servas luteranas reunidas em Nova Odessa no dia 01 de maio de 2016 (foto: Jean Tosetto).
Servas luteranas reunidas em Nova Odessa no dia 01 de maio de 2016.

Qual é a importância do exemplo? O que é mais eficaz: o que eu digo aos meus filhos ou o que eu sou?

Um mineiro de carvão tinha o hábito de parar numa taberna da vila para tomar um trago quando ia para o trabalho. Certa manhã de inverno, enquanto caminhava para a taberna, ouviu a voz trêmula de seu filhinho a chamá-lo: “Papai, estou seguindo você!” A grande verdade que havia por trás desta declaração abriu os olhos do pai. O menino seguia os seus passos e ele se dirigia para a taberna.

Quer queiramos ou não, os nossos filhos seguem os nossos passos.

Para onde você está levando o seu filho ou a sua filha?

Nem todos os pais e nem todas as mães compreendem as impressões poderosas e duradouras que a sua conduta e atitude imprimem na mente dos filhos. A educação não consiste apenas de provérbios, instruções, exortações, mas também de demonstrações. A educação através de instruções pode ocupar apenas alguns minutos do dia. A educação pelo exemplo é um processo continuado. O modo como você age é mais importante do que aquilo que você diz. A maneira como você vive perante o seu filho ou filha irá influenciá-lo mais do que aquilo que você lhe ensina. A influência mais forte é a do exemplo.

Você pai, você mãe, quer que seu filho ou sua filha seja igual a você? Você anda tão perto de Deus que pode dizer aos seus filhos: “ Sigam o meu exemplo como eu sigo o exemplo de Cristo” ? (1 Co. 11.1). Lembre-se de que você também é responsável pelo destino eterno de seu filho ou filha.

Os seus filhos se parecerão com você não só devido às influências hereditárias, mas também por causa da influência do seu exemplo. A instrução dá início à educação, mas o exemplo a complementa. Se a sua fé demonstra a sua confiança em Cristo, os seus filhos logo notarão e serão fortemente influenciados por ela e levados a confiar também em Jesus. Estas coisas atuam silenciosamente, mas ensinam muito com respeito à salvação pela fé na cruz de Cristo. Tome cuidado com o seu exemplo! Ele mostra quem você é!

Deus permita que o exemplo das mães e dos pais seja sempre positivo e que as suas ações não sirvam de pedra de tropeço, mas apontem para o amor de Deus revelado em Cristo Jesus, o único Senhor e Salvador.

- Pastor Alaor

Publicado originalmente no boletim informativo da CELC/SP - nº 387

Cristo consumou a sua missão

Gênesis 9:16: "Toda vez que o arco-íris estiver nas nuvens, olharei para ele e me lembrarei da aliança eterna entre Deus e todos os seres vivos de todas as espécies que vivem na terra."
Gênesis 9:16 - "Toda vez que o arco-íris estiver nas nuvens, olharei para ele e me lembrarei da aliança eterna entre Deus e todos os seres vivos de todas as espécies que vivem na terra."


Ele é Deus. Antes do princípio Ele já existia com o Pai e o Espírito Santo, cheio de majestade, poder e glória. Por meio dele foram feitas todas as coisas e nada do que existe foi feito sem Ele. Os exércitos celestiais viam o Seu rosto e o Seu poder estendia-se para além dos limites do infinito.

Chegando a plenitude do tempo, Ele veio à Terra. Nasceu como qualquer ser humano e assim permaneceu por trinta e três anos – carne, sangue, nervos, músculos, fome, sede, cansaço, dor e lágrimas. Comprimiu-se até caber na cápsula frágil da temporalidade. Sujeitou-se a depender da matéria para a sobrevivência física e a esperar do próximo favores e serviços. Teve de suportar ainda a traição de um amigo hipócrita, a negação preanunciada de um dos discípulos, bem como o abandono dos demais.

Lá no alto da cruz no Monte do Calvário, aquela imagem da humanidade condenada, Ele era tudo menos Deus. Era um homem condenado por todos os homens, vencido pela força do mal e expondo ao mundo a maldição que durante milênios decaíra sobre a raça humana. A gruta gelada do seu túmulo frustrou todas as esperanças que seus seguidores nele depositaram. Esperança de um mundo transformado, esperança de justiça e de consolo aos perseguidos, e esperança da vida eterna que Ele prometera, mas levara consigo para a sepultura.

Passaram-se três dias e na madrugada do Domingo da Páscoa O Homem levantou-se do sepulcro. A morte curvou-se vencida. O mal recuou. Os céus celebraram com júbilos. Os remidos recuperaram confiança e esperança.

Cristo consumou a sua missão! Agora já podia retornar ao Pai. Já não havia mais limitações e dependências. Voltava plenamente a ser Deus.

E regressando ao Céu, o Salvador podia ter-se livrado da natureza humana. Entretanto, optou por conservá-la, subindo para o Pai revestido de humanidade. Sua vitória fora aprovada e agora, também como Homem, seria glorificado!

A ascensão de Jesus Cristo é a garantia de que a nossa humanidade é valiosa perante Deus e que não precisamos sofrer derrota. À direita do Pai está o Deus-Homem, com o mesmo corpo que um dia teremos na glória, intercedendo por nós. Tenhamos absoluta certeza disso! Em e com Cristo somos vencedores!

- Pastor Alaor

Publicado originalmente no boletim informativo da CELC/SP - nº 386