O Senhor Deus dá o que é preciso

"Sacrifício de Isaac", óleo de 1603, pintado por Caravaggio, exposto na Galeria Uffizi em Florença, Itália.
"Sacrifício de Isaac", óleo de 1603, pintado por Caravaggio, exposto na Galeria Uffizi em Florença, Itália.

Deus convoca Abraão a matar o seu filho, que nascera sob uma promessa e a quem ele tanto ama. E, surpreendentemente, Abraão começa os preparativos necessários, sem dar qualquer explicação disso a ninguém. Levanta-se de madrugada, atrela o seu jumento, corta lenha para o sacrifício, sai e segue rumo a uma montanha na terra de Moriá.

É impressionante! Abraão não questiona Deus, não revela sentimentos de contrariedade, não fala nada com Isaque e muito menos com seus dois empregados que o acompanham. Simplesmente cumpre o que lhe foi exigido.

Mas, mesmo que Abraão prontamente se dispõe a obedecer a ordem de Deus, isto não significa que ele não tenha sentido uma grande aflição. No entanto, a sua plena confiança e fé neste seu Deus provedor sobrepujaram toda e qualquer expectativa. Da mesma forma, a conduta de Isaque merece destaque, pois é impressionante quando em sua obediência acompanha a seu pai, sem questionar. Ele apenas manifesta uma dúvida: “Onde está o carneirinho para o sacrifício?” - (Leia Gn. 22.1-19)

“Abraão responde: DEUS DARÁ O QUE FOR PRECISO; ele vai arranjar um carneirinho para o sacrifício, meu filho.” Que tamanha fé e amor Abraão demonstrou! E esta sua fé, além de agradar a Deus sobremaneira, também serviu de testemunho ao seu filho sobre a confiança que o pai depositava no Senhor Deus. E até os dias de hoje esta obediência resignada e fiel de Abraão a Deus continua sendo exemplo e encorajando a todos nós. “O Senhor Deus dá o que é preciso.” (v.14b)

Abraão agiu através da fé. Uma fé autêntica não questiona. Uma fé verdadeira não racionaliza. Uma fé heroica simplesmente aceita e confia plena e absolutamente na ação de Deus. Abraão creu e confiou que a salvação depende exclusivamente de Deus e por Ele é realizada. Abraão tinha certeza de que de alguma forma Deus haveria de providenciar, não somente o cordeiro para substituir a morte sacrificial de seu filho Isaque, como também do próprio Abraão como pecador, e, mais ainda, do mundo inteiro transgressor. Essa extrema confiança de Abraão não foi em vão. Deus, realmente, deu o que era necessário. Não só providenciou o carneirinho para ser sacrificado em lugar de Isaque, mas também deu o que era preciso para toda a humanidade pecadora. O Pai eterno sacrificou o seu próprio e único Filho na cruz em favor de todos nós.

O Senhor Deus deu o que era necessário! E o seu desejo é que esta boa notícia seja proclamada a todo o mundo, a fim de que todo aquele que nele crer, não pereça, mas receba e tenha a vida eterna. E quem nele confiar a exemplo de Abraão, jamais ficará desiludido e nunca se sentirá abandonado. Portanto, confiemos sempre em Deus! Ele doou tudo o que foi preciso para que vocês e eu fôssemos perdoados e salvos. E, certamente, também nos dará o que for necessário para nos conservar firmes na fé até o fim.

Gratos somos por tanto amor, nosso bendito Redentor! E que não seja em vão, ó Jesus Senhor, o teu martírio expiador! Amém.

- Pastor Alaor

Publicado originalmente no boletim informativo da CELC/SP - nº 398

Como seria? Como será?

“Portanto, lembrem do que aprenderam e ouviram. Obedeçam e se arrependam. Eu venho logo. Guardem o que vocês têm, para que ninguém roube de vocês o prêmio da vitória.” - Ap. 3.3a e 11. (foto: Jean Tosetto)

COMO SERIA...

...Se Deus não tivesse tempo para nos abençoar hoje, porque não tivemos tempo para agradecer-lhe em nenhum dos cultos na Quaresma e talvez nem reservaremos tempo para cultuá-lo na Páscoa?

...Se Deus decidisse não nos guiar no dia de amanhã, porque nós não O seguimos já há muitos dias passados?

...Se Deus resolvesse não caminhar mais conosco, porque não reconhecemos cada novo dia como um presente que Ele nos dá?

...Se Deus nunca mais deixasse nós vermos uma flor brotar, só porque reclamamos quando Ele fez chover e nós queríamos passear?

...Se Deus deixasse de nos amar e cuidar de nós, porque deixamos de amar e de nos importar com o nosso semelhante?

...Se Deus hoje rasgasse Suas leis escritas, porque ontem não lemos o que Ele disse, e desistisse de nos ensinar amanhã?

...Se Deus nos privasse das suas mensagens, porque pouco ouvimos os seus mensageiros, raramente frequentamos a Igreja e há muito tempo não participamos da Santa Ceia?

...Se Deus não tivesse tomado prévias providências, para que estivéssemos preparados para pagar o preço dos males que causamos?

...Se Deus não nos ouvisse hoje, só por apostar que não O ouviríamos no dia do amanhã?

...Se Deus escutasse nossas orações da mesma forma que escutamos Seus chamados para o serviço na Igreja?

...Se Deus atendesse as nossas necessidades, da mesma forma que atendemos os seus conselhos e pedidos?

...Se Deus nos fechasse todas as portas, só porque não abrimos nossos corações à Sua Palavra e nossos bolsos para o sustento de Sua obra?

E COMO SERÁ...

...Se não nos importarmos com nossas respostas e continuarmos indiferentes para com o Cristo Ressuscitado e negligentes para com o Seu Reino?

“Portanto, lembrem do que aprenderam e ouviram. Obedeçam e se arrependam. Eu venho logo. Guardem o que vocês têm, para que ninguém roube de vocês o prêmio da vitória.” - Ap. 3.3a e 11.

- Pastor Alaor

Publicado originalmente no boletim informativo da CELC/SP - nº 397