Aos cuidados de Deus

Detalhe do altar da Igreja Luterana em Nova Odessa (foto-edição: Jean Tosetto)

Um idoso cristão, ao levantar-se de manhã, mantinha o hábito de orar assim: “Ó Senhor, faz-me tão grande como minha tarefa.” Ele estava ciente de que o trabalho diário era seu, mas os resultados ficavam nas mãos de Deus. Procurava ser obediente à vontade do Senhor e fazer a sua parte, confiante de que Deus completaria o que faltasse.

O rei Davi nos revela um comportamento semelhante. No Salmo 5 versículos 2 e 3, ele diz: “Meu Rei e meu Deus, atende o meu pedido de ajuda, pois eu oro a ti, ó Senhor! De manhã ouves a minha voz; quando o sol nasce, eu faço a minha oração e espero a tua resposta.” Todo esse cântico de Davi, na verdade, é uma oração pedindo ajuda, proteção e bênçãos de Deus, tanto pessoais como para o seu povo; e também, que o Senhor corrija o que está errado e discipline as pessoas que praticam a maldade. Davi colava o seu dia aos cuidados de Deus, pois tinha plena confiança de que todos aqueles que amam a Deus e nele buscam abrigo, ficarão contentes e se alegrarão, porque a bondade do Senhor os protegerá como um escudo.

Qual foi a sua primeira ocupação hoje pela manhã? Certamente, a oração é algo que todos podem exercitar. E iniciar o dia com uma sincera prece, colocando o nosso cotidiano confiantemente aos cuidados do Senhor Deus, nos proporcionará alegria mesmo em meio aos reveses que a vida poderá apresentar.

Deus nos manda orar e nos promete ouvir e atender. Ele ama a todos e manifestou isso de modo especial enviando Seu Filho Jesus a este mundo, a fim de que todo aquele que nele crer, não pereça, mas tenha a vida eterna. E Jesus disse: “Se vocês ficarem unidos comigo, e as minhas palavras continuarem em vocês, vocês receberão tudo o que pedirem.” Jo. 15.7

Coloquemos a nossa vida e a do próximo diariamente aos cuidados do Senhor e confiemos nEle acima de todas as coisas!

- Pastor Alaor

Publicado originalmente no boletim informativo da CELC/SP - nº 378

O amor de Deus é perfeito


É impressionante o tamanho do amor de Deus por nós! Não é mesmo? E a Sua capacidade em nos perdoar diariamente?! É impossível compreendermos tão nobre ato. Muitas vezes, porém, parece que tudo isso está em modo automático dentro de nossos pensamentos ou mesmo do nosso coração. Não damos o devido valor a este imensurável amor divino. E tal comportamento é até mais frequente do que imaginamos.

Tente buscar em sua mente alguma desavença que você teve com alguém. Pense num dia em que alguma pessoa lhe machucou profundamente. Lembrou? E como foram os dias seguintes a esses fatos? A relação entre vocês voltou ao normal rapidamente ao se falarem ou ficou estremecida por um tempo, até você conseguir vencer o orgulho e desculpar? E se porventura aconteceu ainda outra discussão entre vocês, será que aquela primeira não ressurgiu como uma fênix, voltando com força total à memória?

Pois é, este cenário parece bem conhecido de todos nós, não é verdade? Porém, pensemos agora em alguém nos ofendendo todos os dias e tendo atitudes que nos desagradam profundamente. Qual a sensação que surge dentro do nosso âmago, como seres humanos que somos? Mágoa, rancor, impaciência, vingança?

Nestas horas é que me impressiono demais com a capacidade do amor, misericórdia e perdão de Deus para conosco, seus filhos pecadores. E lembro-me então do que o apóstolo João afirmou: “Deus é amor. E o amor é isto: não fomos nós que amamos a Deus, mas foi ele que nos amou e mandou o seu Filho para que, por meio dele, os nossos pecados fossem perdoados.” (1 Jo. 4.8,10).

Deus não fica emburrado conosco. Deus não deixa de falar conosco. E uma vez perdoado, Deus não relembra erros. Deus não guarda uma “carta na manga” para no nosso próximo pecado agregar com algum outro anterior. Deus não é vingador. Deus nos perdoa antes mesmo de falarmos com Ele, como um pai de amor perdoa o filho. E o amor Dele é PERFEITO! Contudo, isto não nos tira a responsabilidade e o dever de reconhecermos os nossos erros, confessá-los humildemente perante Ele e lhe pedir perdão, em nome e por amor de Cristo.

Conseguiremos um dia chegar num nível perfeito de amor e perdão entre nós? Não, pois seremos sempre limitados humanamente. Porém, esta ação deve ser realizada todo dia, repetidamente, com esforço sincero para tentarmos melhorar sempre o nosso amor para com Deus e também para com o nosso próximo. E assim admiraremos e valorizaremos cada dia mais a Deus por tamanha COMPAIXÃO e AMOR que Ele tem por nós!

- Thiago R. H. dos Santos

Publicado originalmente no boletim informativo da CELC/SP - nº377