Dia do Amigo

Pericope Adulterae. Por Nicolas Poussin (1653), no Louvre, em Paris. The Yorck Project: 10.000 Meisterwerke der Malerei. DVD-ROM, 2002. ISBN 3936122202. Distributed by DIRECTMEDIA Publishing GmbH.
Quem era o único amigo da pecadora neste julgamento em praça pública?

O “Dia do Amigo” é uma data proposta para celebrar a amizade entre as pessoas. No Brasil, Uruguai e Argentina, a data mais difundida para esta celebração é 20 de julho, aniversário da chegada do homem a lua em 1969. Foi criada pelo argentino Enrique Ernesto Febbraro, que enviou cerca de quatro mil cartas para diversos países e idiomas com o intuito de instituir o Dia do Amigo. Febbraro considerava a chegada do homem a lua um feito que demonstra que se o homem se unir com seus semelhantes, não há objetivos impossíveis. Então, por que não lutar pela amizade entre os povos e fomentar a cultura da paz no mundo?!

Imbuídos do sentimento que a data nos propõe, vamos refletir sobre Aquele que é o nosso verdadeiro e maior Amigo. Foi Dele esta afirmação registrada no Evangelho de João, capítulo 15, verso 13: “Ninguém tem mais amor pelos seus amigos do que aquele que dá a sua vida por eles.”

Como definir amigo? É difícil. Diz uma música que amigo é coisa para se guardar do lado esquerdo do peito. Salomão, no livro bíblico de Provérbios, diz: “O amigo ama sempre e na desgraça ele se torna um irmão”(17.17). Mais adiante afirma: “Algumas amizades não duram nada, mas um verdadeiro amigo é mais chegado que um irmão” (18.24). E ainda aconselha: “Não abandone o seu amigo, nem o amigo do seu pai” (27.10).

Sabemos que a base de uma amizade é a identificação de um com o outro. Amigo é aquele que nos oferece o ombro, nos estende a mão, nos ouve com mente aberta, nos corrige com sabedoria, nos exorta com amor, nos consola nas derrotas e se entusiasma com nossas conquistas. Alguém deve estar pensando: Amigos assim, se há, são raros. É verdade!

Mas, existe UM amigo perfeito que deseja estabelecer conosco laços de união que vão além do tempo e do espaço: JESUS! Ninguém tem maior amor por nós do que ele. E a sua maior prova de amizade foi dar a sua própria vida em favor de nós, libertando-nos do mal e graciosamente nos oferecendo perdão e salvação. A amizade do mundo é passageira, mas a de Jesus é eterna. Seja amigo dele e mostre-lhe esta amizade vivendo de conformidade com a Sua Palavra.

- Pastor Alaor

Publicado originalmente no boletim informativo da CELC/SP - nº 400

O sopro transformador

Ingeborg Psalter, Pentecost  Musée Condé MS. 66  ca. 1200  Musée Condé, Chantilly
Gravura sobre pentecostes exposta no Museu Condé em Chantilly, na França. 


Na festa do Pentecostes, que corresponde a antiga Festa da Colheita ou Festa das Semanas, celebrada cinquenta dias após a Páscoa, os discípulos receberam aquilo que o Salvador Jesus lhes havia prometido: o Auxiliador. Em meio a fortes ventos e chamas de fogo - símbolos do poder e presença de Deus - o Espírito Santo invade o corpo dos discípulos, os encoraja a testemunhar da sua fé em Cristo e os capacita a falar em línguas compreendidas pelos diferentes povos presentes em Jerusalém. [Ler na Bíblia, no Livro de Atos dos Apóstolos, capítulo 2].

Simão Pedro, que outrora protagonizara um momento de covardia, negando a Cristo três vezes para salvar o próprio pescoço, levanta-se e não se intimidando perante as autoridades judaicas e romanas, afirma com ousadia que as Sagradas Escrituras estão se cumprindo. Evoca o rei Davi e lembra o povo de que ele sabia que Deus haveria de enviar um Rei Salvador e acreditava que este Messias não apodreceria na sepultura. E daí Pedro proclama veementemente que sua plateia acaba de viver o mais importante acontecimento de toda a história. “Deus ressuscitou este Jesus, e todos nós somos testemunhas disso. Pois Jesus foi levado para sentar-se ao lado direito de Deus, o seu Pai, o qual lhe deu o Espírito Santo, como havia prometido. E Jesus derramou sobre nós este Espírito, conforme vocês estão vendo e ouvindo agora.” (At. 2.32,33)

Cerca de três mil pessoas reagem diante desta poderosa mensagem de Pedro, juntam-se ao grupo de seguidores de Jesus e são batizadas. Logo, todos estão falando sobre isto e não só em Jerusalém. Os peregrinos retornam aos seus países de origem e levam consigo esta mensagem transformadora. E a fé cristã, a partir daí, se torna um fenômeno mundial.

O Espírito Santo é Jesus em ação na continuidade do seu ministério até hoje. Você deseja sentir a sua presença? Então, ouça, lê e medite nas Sagradas Escrituras. Abra o seu coração à boa nova do Evangelho de Cristo e sinta o sopro transformador e renovador do Espírito de Deus.

- Pastor Alaor

Publicado originalmente no boletim informativo da CELC/SP - nº 399