O consolo eterno


A mãe lê para crianças em desenho de Jessie Wilcox Smith (1863-1935) arquivado na Biblioteca Pública de Boston.
A mãe lê para crianças em desenho de Jessie Wilcox Smith (1863-1935) arquivado na Biblioteca Pública de Boston.

Será que precisamos de alguém que cuide de nós, que se preocupe conosco, que nos proteja e oriente para não nos desviarmos do caminho eterno? Deus fez isso com o povo de Israel quando os cuidou, os protegeu e os orientou, durante muitos anos que viveram como escravos na Babilônia.

Logo quando voltaram a Jerusalém, o Senhor chamou alguns profetas e disse: “Consolem, consolem o meu povo. Falem carinhosamente aos moradores de Jerusalém e digam-lhes que os seus pecados foram perdoados.” (Is 40.1-2) depois diretamente disse: “Como a mãe consola o filho, eu também consolarei vocês; eu os consolarei em Jerusalém”. (Is 66.13)

Imaginem como seria a nossa vida se não tivéssemos ninguém para nos dar o consolo necessário a fim de enfrentarmos as dificuldades da vida? Infelizmente muitas pessoas se sentem assim, sozinhas, angustiadas e sem esperança.

Deus veio ao mundo em Cristo Jesus, pois o ser humano estava sozinho em razão do pecado que habitava em seu ser. Assim, como uma mãe se preocupa com o bem-estar de seu filho, Deus se preocupa ainda mais com a nossa salvação. Como uma mãe não desiste do seu filho, mesmo recebendo atos de rebeldia, o Senhor nunca desiste em nos buscar, mesmo que tenhamos nos desviado do caminho eterno.

Somos constantemente convidados a conhecer o consolo eterno, o qual nos oferece uma nova vida e Salvação. Esse consolo recebemos quando Jesus Cristo morreu e ressuscitou por cada um de nós. Que neste dia das mães nos lembremos de forma especial do grande amor e cuidado que o Senhor Deus tem por nós, filhos amados de Deus.

Oração: 

Obrigado querido Deus por me buscar em minhas angústias e oferecer o consolo eterno em Cristo Jesus. Amém.

Pastor Matheus Schmidt
(11) 99551-5161
matheuschmidt@hotmail.com

Publicado originalmente no boletim "Informativo Concórdia" nº20 em abril de 2019.

Ver mensagem anterior

O menor e o maior que já existiu

"Adoração dos Magos" (circa 1515), pintura de Gerard David (circa 1450~1460 / circa 1440) exposta Galeria Nacional em Londres.
"Adoração dos Magos" (circa 1515), pintura de Gerard David (circa 1450~1460 / circa 1440) exposta Galeria Nacional em Londres.

Ao educar crianças, o ato de se abaixar e ficar do tamanho delas, durante a conversa, olhando em seus olhos, é uma ação bem simples e que causa grande impacto no relacionamento. Isso contribui para que a criança compreenda e entenda melhor aquilo que os adultos dizem.

Jesus fez isso por nós: "abriu mão de tudo o que era seu e tomou a natureza de servo, tornando-se igual aos seres humanos. E, vivendo a vida comum de um ser humano" (Fp 2.7). Jesus desceu para se colocar do nosso tamanho e assim nos ensinar o caminho que nos leva aos céus.

Contudo, por sermos crianças que ainda precisam se alimentar do leite espiritual, Jesus desceu, não apenas para ficar do nosso tamanho e nos ensinar, mas para nos servir ao tomar sobre si o castigo que nós merecíamos por causa dos nossos pecados, morrendo na cruz em nosso lugar.

Foi por essa razão que Deus deu a Jesus a mais alta honra e pôs nele o nome que é o mais importante de todos os nomes, para que assim todas as pessoas declarem abertamente que Jesus é o Senhor. Jesus chegou no lugar mais baixo possível para que na cruz todos vejam nos olhos de Jesus o amor de Deus pela humanidade.

Assim, olhando para a cruz, todos possam cair de joelhos e o reconhecer como Senhor. Um gracioso Senhor que nos alcançou e nos resgatou da morte eterna para que abertamente possamos confessar o seu nome e pelo seu nome sermos salvos.

Oração:

Obrigado querido Deus por se colocar em meu lugar e vencer a morte. Em teu nome, declaramos abertamente que tu és o Senhor para a glória de Deus, o Pai. Amém.

Pastor Matheus Schmidt
 (11) 99551-5161

Publicado originalmente no boletim "Informativo Concórdia" nº19 em abril de 2019.