A missão de Deus centraliza em Jesus

"A lamentação sobre o Cristo morto" (circa 1474), pintura de Andrea Mantegna (1431-1506) pertencente ao acervo da Pinacoteca de Brera em Milão, Itália.
"A lamentação sobre o Cristo morto" (circa 1474), pintura de Andrea Mantegna (1431-1506) pertencente ao acervo da Pinacoteca de Brera em Milão, Itália.

Mesmo antes da fundação do mundo, Deus já tinha planejado reconciliar o mundo consigo através de Jesus Cristo. “Esse plano é unir, no tempo certo, debaixo da autoridade de Cristo, tudo o que existe no céu e na terra.” (Ef. 1.10)

Bem antes da vinda de Cristo, Deus já estava colocando em prática o seu plano divino através de pessoas como: Abraão, Moisés, Elias, Eliseu, Raabe, Rute, Samuel, Davi, Isaías, Jeremias, e muitos outros. Eles serviram para apontar a Cristo, o Messias prometido, através de suas palavras e ações.

Por momentos, como a páscoa dos Judeus e a saída do Egito, Deus já estava preparando a sua missão de salvação. Essa missão teria seu cumprimento no Messias. Através do Templo, com os sacerdotes e os sacrifícios, Deus já anunciava o perdão dos pecados baseado no sangue de Cristo, o perfeito sacrifício que haveria de vir. Como diz em Jeremias: “Pois eu perdoarei os seus pecados e nunca mais lembrarei das suas maldades. Eu, o Senhor, estou falando.” (Jr 31.34)

“Mas, quando chegou o tempo certo, Deus enviou o seu próprio Filho, que veio como filho de mãe humana e viveu debaixo da lei para libertar os que estavam debaixo da lei, a fim de que nós pudéssemos nos tornar filhos de Deus.” (Gl 4.4-5)

Jesus era o “verdadeiro Deus do verdadeiro Deus” (Credo Niceno), mas ao mesmo tempo verdadeiramente humano. Pela sua vida, ele perfeitamente cumpriu todas as exigências colocadas por Deus. Pelo seu sofrimento e morte na cruz, Jesus pagou por todos os pecados do mundo inteiro, sofreu com a ira de Deus, pisou na cabeça da serpente e abriu o portão para os céus.

Pela ressurreição dos mortos, Cristo declarou a vitória sobre o pecado, a morte e o diabo. “Onde está, ó morte, a sua vitória? Onde está, ó morte, o seu poder de ferir? O que dá à morte o poder de ferir é o pecado, e o que dá ao pecado o poder de ferir é a lei. Mas agradeçamos a Deus, que nos dá a vitória por meio do nosso Senhor Jesus Cristo!” (1Co 15.55-57)

Pela fé em Jesus Cristo, pecadores arrependidos:
• Recebem a própria santidade de Cristo (Gl 3.27; 2Co 5.21) e também operdão total de seus pecados. (Cl 1.14)
• Recebem uma nova comunhão com o Criador e uma Nova Vida (2Co 5.17) 
• São declarados livres do poder do diabo e do medo da morte (Hb 2.14-15; 1Co 15.54-57) 
• Esperam o dia do julgamento confiantes, sabendo que estão entre aqueles que “...lavaram as suas roupas no sangue do Cordeiro, e elas ficaram brancas.” (Ap 7.14) 

A Igreja alegremente, de acordo com o plano de Deus, proclama Jesus Cristo como Senhor e Salvador do Mundo. 

“Eu sou menos do que o menor de todos os que pertencem a Deus, mas mesmo assim ele me deu este privilégio de anunciar aos não judeus a boa notícia das imensas riquezas de Cristo. E também me deu o privilégio de fazer com que todos vejam como se realiza o plano secreto de Deus. Deus, que criou tudo, escondeu esse segredo durante os tempos passados. E isso aconteceu a fim de que agora, por meio da Igreja, as autoridades e os poderes angélicos do mundo celestial conheçam a sabedoria de Deus em todas as suas diferentes formas.” (Ef.3.8-10) 

No meio de uma variedade de falsos “evangelhos” sendo proclamado no mundo afora, a igreja confiantemente confessa que não há salvação em nenhum outro nome abaixo dos céus (At 4.12) e anuncia a todos a clareza do verdadeiro Evangelho: “Porque Deus amou o mundo tanto, que deu o seu único Filho, para que todo aquele que nele crer não morra, mas tenha a vida eterna.” (Jo 3.16) 

Amém.

Fonte: A Theological Statement of Mission

Pastor Matheus Schmidt
(11) 99551-5161
matheuschmidt@hotmail.com

Publicado originalmente no boletim "Informativo Concórdia" nº24 em setembro de 2019.

Ver mensagem anterior

A missão inicia no coração de Deus

"A Jornada de Abraão de Ur para Canaan" (1850): pintura de József Molnár (1821–1899) pertencente ao acervo da Magyar Nemzeti Galéria em Budapeste, Hungria.

A missão de Deus começa com o “vá” para Abrão em Gn 12.1:

“Certo dia o Senhor Deus disse a Abrão: — Saia da sua terra, do meio dos seus parentes e da casa do seu pai e vá para uma terra que eu lhe mostrarei.” 

Depois Deus disse a Jonas duas vezes: 

“Certo dia, o Senhor Deus disse a Jonas, filho de Amitai: — Apronte-se, vá à grande cidade de Nínive e grite contra ela, porque a maldade daquela gente chegou aos meus ouvidos.” 

Cristo também comissionou setenta e dois para a missão: 

“Depois disso o Senhor escolheu mais setenta e dois dos seus seguidores e os enviou de dois em dois a fim de que fossem adiante dele para cada cidade e lugar aonde ele tinha de ir.” 

E, por fim, a grande comissão: 

“Portanto, vão a todos os povos do mundo e façam com que sejam meus seguidores, batizando esses seguidores em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.” 

A missão começa no coração de Deus e expressa o seu grande desejo de salvar o mundo. A Palavra de Deus deixa claro que Deus deseja que todos tenham o conhecimento da verdade (2Tm 2.4).

A verdade é que, em Cristo, já vivemos a Nova Criação. Em Cristo somos perdoados, redimidos e salvos da condenação eterna. O que percebemos claramente é que desde o início Deus vem demonstrar o seu amor incondicional a nós, mesmo sendo nós tão pecadores.

Desde o anúncio de um Salvador a Adão e Eva, até a promessa do retorno de Cristo em Apocalipse, percebemos que é Deus agindo com o seu plano de salvar e restaurar toda a criação. 

Deus não está sendo lento com a sua promessa, mas está sendo paciente para conosco, não querendo que pessoas se percam, mas que todos cheguem à plena verdade a respeito dos céus (2Pe 3.9). 

O desejo de Deus é que o dia do Julgamento não seja um dia de terror e desespero, mas de alegria e agradecimento, quando todas as línguas vão poder “declarar abertamente que Jesus Cristo é o Senhor, para a glória de Deus, o Pai” (Fp 2.11). 

A missão irá terminar como começou – no coração de Deus. 

Amém.

Pastor Matheus Schmidt
(11) 99551-5161
matheuschmidt@hotmail.com

Publicado originalmente no boletim "Informativo Concórdia" nº23 em agosto de 2019.

Ver mensagem anterior