Um clamor que somente Deus podia atender

"Jesus cura um homem cego em Jericó" (circa 1530-1532): pintura deMatthias Gerung (1500–1570) que integra o acervo digital de de Ottheinrich-Bibel, Bayerische Staatsbibliothek.
"Jesus cura um homem cego em Jericó" (circa 1530-1532): pintura deMatthias Gerung (1500–1570) que integra o acervo digital de de Ottheinrich-Bibel, Bayerische Staatsbibliothek.

Sentado na beira do caminho, cego, desempregado, falido, arruinado, excluído do núcleo social, Bartimeu vivia a mendigar. Aos olhos do mundo ele era “ninguém”, mas aos olhos de Deus ele é “ALGUÉM”. Jamais tinha tido a oportunidade de ver Jesus, todavia, ele creu. Fez melhor que Tomé e ingressou na lista dos bem aventurados que não viram e creram. Lemos no Evangelho de Marcos, capítulo 10, versículo 47: “Quando ouviu alguém dizer que era Jesus de Nazaré que estava passando, o cego começou a gritar: - Jesus, Filho de Davi, tenha pena de mim!”

Bartimeu tinha conhecimento de quem era Jesus e intensificou seu clamor. Não queria perder a oportunidade de falar com o Salvador, pois sabia que era o único que lhe poderia curar. Foi repreendido pelas pessoas e ordenado que se calasse, mas ele não desanimou. Insistiu em ser ouvido e sua persistência fez Jesus parar e lhe perguntar: “O que é que você quer que eu faça?” E Bartimeu respondeu: “Mestre, eu quero ver de novo!” Uma oração simples e direta. Uma prece curta e objetiva. Um clamor que somente Deus podia atender.

A convicção daquele mendigo cego foi tão grande que recebeu seu milagre. E muito mais que isso, pois Jesus olhou para ele e lhe afirmou: “Vá, você está curado porque teve fé!” A fé de Bartimeu é contemplada por Jesus. Ele recebe a cura dos olhos humanos e, mais que isto, ganha também uma visão espiritual. E recebida a bênção da cura, Bartimeu não foi embora para viver à sua maneira. Mas, ele segue a Jesus caminho a fora. Não é mais um excluído, mas foi incluído, caminhando entre os seguidores de Cristo. Não foi apenas iluminado, mas está seguindo os passos do iluminador do mundo, com vistas a tornar-se uma lâmpada desta Luz.

Existem situações na vida que nos colocam também na beira do caminho e ofuscam nossa visão de coisas futuras. Desemprego, doenças na família, crise financeira, depressão, angústias diversas. Entretanto, em vez de sucumbirmos na desesperança, devemos sempre acreditar que Jesus fez algo por nós e que valoriza nossa vida. Ele até sacrificou-se na cruz, para que nós pudéssemos receber perdão e vida eterna. Seu desejo é que todos sejam curados física e espiritualmente, e que já nesta vida tenhamos a visão dos céus. Então, a exemplo de Bartimeu, clamemos diariamente: Senhor Jesus, tem misericórdia de mim! Dá-me fé e esperança! Amém.

- Pastor Alaor Güths dos Santos

Publicado originalmente no boletim "Notícia e Informações da Igreja Luterana de Moema" nº14 em outubro de 2018.


O Rochedo de Gibraltar

O Rochedo de Gibraltar representado num cartão postal de cerca de 1810.
O Rochedo de Gibraltar representado num cartão postal de cerca de 1810.

Gibraltar é um território autônomo do Reino Unido, localizado ao Sul da Espanha. É na terra de Gibraltar que fica uma montanha estrategicamente localizada na entrada do Mar Mediterrâneo. Por meio dela é possível proteger o estreito que une a África à Europa e que divide o Atlântico do Mediterrâneo. Sua geografia privilegiada já foi cobiçada por inúmeros conquistadores e agora atrai visitantes de todo o mundo. E o Rochedo de Gibraltar é a principal atração turística do território ultramarino inglês. Tem 427 metros de altura e é conhecido como Coluna de Hércules.

Já tinha admirado gravuras deste imenso rochedo, mas na segunda metade dos anos 70, junto com a família, pude admirá-lo com meus próprios olhos. E então pude ver pessoalmente o que este rochedo tem e porque Gibraltar significa para muitas pessoas, segurança, solidez e imutabilidade.

O ser humano passa a vida toda em busca de solidez, de algo em que possa depositar a sua absoluta confiança. E isso se torna bem evidente no que diz respeito aos problemas financeiros. Inclusive, em tempos de crise econômica como a atual que o País atravessa, observa-se quão mais preocupados os investidores ficam, para aplicarem o seu dinheiro de modo seguro e com o máximo de lucro. Desejam segurança, solidez e imutabilidade. Gibraltar!

Mas em meus pensamentos agora me ocorre outro nome: Deus! Deus também está associado à solidez, imutabilidade, segurança. Pode-se confiar inteiramente nos investimentos feitos em seu nome; investimentos cujos dividendos serão espantosamente grandes. E tais investimentos envolvem DINHEIRO e mais do que isto: VIDA e SERVIÇO. DINHEIRO para sustentar o trabalho mais sublime de todos nessa terra – Levar Cristo Para Todos! SERVIÇO para que o dinheiro possa ser utilizado corretamente na propagação do Evangelho de Jesus ao mundo. VIDAS dedicadas e consagradas àquele alvo que se torna uma paixão ardente.

Deus precisa de homens, mulheres, jovens e crianças prontos a cooperar e dispostos a ofertar para o sustento de Sua Igreja e contribuir para a expansão do Seu Reino da Graça. A oferta a Deus é um privilégio e uma nobre maneira de se mostrar amor Àquele que nos amou primeiro e tornou possível a nossa redenção.

Muitos questionam achando que Deus não tem importância na nossa vida e que a Igreja não faz mais sentido. Os que desprezam Deus são tolos e insensatos. E a Igreja nunca deixará de fazer sentido, pois se tal fosse o caso, o próprio Cristo não a teria instituído e dela se tornado a “Pedra angular”. Mas será que os que assim questionam contribuem com a sua quota para que a igreja seja de fato pertinente? Apoiam-na com dinheiro e trabalho para que ela seja divulgada e cresça no mundo? Tal como um lar ou um negócio, a igreja também precisa dispor de recursos financeiros. Há despesas diversas a ser supridas, sem as quais ela não pode exercer a sua função.

E a Igreja necessita e conta com as contribuições e ofertas dos seus congregados para manter-se. Quando os membros da igreja não respondem à chamada de Deus à mordomia fiel e responsável, a igreja fica incapacitada para desempenhar o seu papel na sociedade e no mundo. Cada membro deve sentir uma responsabilidade pessoal no que diz respeito ao tempo, talento e dinheiro. Somente assim a igreja continuará alcançando as almas perdidas e oferecendo-lhes vida e salvação através de Jesus Cristo. E os resultados da mordomia fiel não passarão com o tempo, mas serão eternos.

Os investimentos em ações, fundos, etc., que aplicadores consideram sólidos, às vezes causam enormes desapontamentos e na melhor das hipóteses servem somente para esta vida e são, portanto, de caráter temporário. Mas os serviços prestados a Deus e os investimentos feitos em Seu Nome, durarão mais de milhões de Gibraltares e seu lucro permanecerá através da eternidade.

Pense, reflita e converse com Deus em oração sobre isso. E aja com responsabilidade!

 - Pastor Alaor Güths dos Santos

Publicado originalmente no boletim "Notícia e Informações da Igreja Luterana de Moema" nº13 em setembro de 2018.