O Rochedo de Gibraltar

O Rochedo de Gibraltar representado num cartão postal de cerca de 1810.
O Rochedo de Gibraltar representado num cartão postal de cerca de 1810.

Gibraltar é um território autônomo do Reino Unido, localizado ao Sul da Espanha. É na terra de Gibraltar que fica uma montanha estrategicamente localizada na entrada do Mar Mediterrâneo. Por meio dela é possível proteger o estreito que une a África à Europa e que divide o Atlântico do Mediterrâneo. Sua geografia privilegiada já foi cobiçada por inúmeros conquistadores e agora atrai visitantes de todo o mundo. E o Rochedo de Gibraltar é a principal atração turística do território ultramarino inglês. Tem 427 metros de altura e é conhecido como Coluna de Hércules.

Já tinha admirado gravuras deste imenso rochedo, mas na segunda metade dos anos 70, junto com a família, pude admirá-lo com meus próprios olhos. E então pude ver pessoalmente o que este rochedo tem e porque Gibraltar significa para muitas pessoas, segurança, solidez e imutabilidade.

O ser humano passa a vida toda em busca de solidez, de algo em que possa depositar a sua absoluta confiança. E isso se torna bem evidente no que diz respeito aos problemas financeiros. Inclusive, em tempos de crise econômica como a atual que o País atravessa, observa-se quão mais preocupados os investidores ficam, para aplicarem o seu dinheiro de modo seguro e com o máximo de lucro. Desejam segurança, solidez e imutabilidade. Gibraltar!

Mas em meus pensamentos agora me ocorre outro nome: Deus! Deus também está associado à solidez, imutabilidade, segurança. Pode-se confiar inteiramente nos investimentos feitos em seu nome; investimentos cujos dividendos serão espantosamente grandes. E tais investimentos envolvem DINHEIRO e mais do que isto: VIDA e SERVIÇO. DINHEIRO para sustentar o trabalho mais sublime de todos nessa terra – Levar Cristo Para Todos! SERVIÇO para que o dinheiro possa ser utilizado corretamente na propagação do Evangelho de Jesus ao mundo. VIDAS dedicadas e consagradas àquele alvo que se torna uma paixão ardente.

Deus precisa de homens, mulheres, jovens e crianças prontos a cooperar e dispostos a ofertar para o sustento de Sua Igreja e contribuir para a expansão do Seu Reino da Graça. A oferta a Deus é um privilégio e uma nobre maneira de se mostrar amor Àquele que nos amou primeiro e tornou possível a nossa redenção.

Muitos questionam achando que Deus não tem importância na nossa vida e que a Igreja não faz mais sentido. Os que desprezam Deus são tolos e insensatos. E a Igreja nunca deixará de fazer sentido, pois se tal fosse o caso, o próprio Cristo não a teria instituído e dela se tornado a “Pedra angular”. Mas será que os que assim questionam contribuem com a sua quota para que a igreja seja de fato pertinente? Apoiam-na com dinheiro e trabalho para que ela seja divulgada e cresça no mundo? Tal como um lar ou um negócio, a igreja também precisa dispor de recursos financeiros. Há despesas diversas a ser supridas, sem as quais ela não pode exercer a sua função.

E a Igreja necessita e conta com as contribuições e ofertas dos seus congregados para manter-se. Quando os membros da igreja não respondem à chamada de Deus à mordomia fiel e responsável, a igreja fica incapacitada para desempenhar o seu papel na sociedade e no mundo. Cada membro deve sentir uma responsabilidade pessoal no que diz respeito ao tempo, talento e dinheiro. Somente assim a igreja continuará alcançando as almas perdidas e oferecendo-lhes vida e salvação através de Jesus Cristo. E os resultados da mordomia fiel não passarão com o tempo, mas serão eternos.

Os investimentos em ações, fundos, etc., que aplicadores consideram sólidos, às vezes causam enormes desapontamentos e na melhor das hipóteses servem somente para esta vida e são, portanto, de caráter temporário. Mas os serviços prestados a Deus e os investimentos feitos em Seu Nome, durarão mais de milhões de Gibraltares e seu lucro permanecerá através da eternidade.

Pense, reflita e converse com Deus em oração sobre isso. E aja com responsabilidade!

 - Pastor Alaor Güths dos Santos

Publicado originalmente no boletim "Notícia e Informações da Igreja Luterana de Moema" nº13 em setembro de 2018.

Você tem tudo?

Não é o que você é, o que você tem, onde está ou o que faz, que determinará a sua felicidade. Mas o que você pensa sobre isto

Certo dia, um pai de família, famoso e rico empresário, convidou seu filho para viajar até um lugarejo com o propósito de mostrar o quanto as pessoas podem ser pobres. Seu objetivo era convencer o filho da necessidade de valorizar os bens materiais que possuía e o prestígio social, pois o pai queria incutir desde cedo estes valores para seu herdeiro. Eles ficaram um dia e uma noite numa pequena casa de barro, de um morador da fazenda do seu primo.

Quando retornaram da viagem, o pai perguntou ao filho: - “E aí, meu filho, como foi a viagem para você?” - “Muito boa, papai!”, foi a resposta. – “Você viu a diferença entre viver com riqueza e viver na pobreza?”, indagou o pai. – “Sim, pai!”, retrucou o filho, pensativamente. – “E o que você aprendeu com tudo o que viu lá naquele lugar tão paupérrimo?” - O menino respondeu: “É pai, eu vi que nós temos só um cachorro em casa e eles têm quatro. Nós temos uma piscina que ocupa o meio do jardim, eles têm um riacho que não tem fim. Nós temos uma varanda coberta e iluminada com lâmpadas de Led e eles têm as estrelas e a lua no céu. Nosso quintal vai até o portão de entrada e eles têm uma floresta inteirinha. Nós temos alguns canários numa gaiola, eles têm todas as aves que a natureza pode oferecer-lhes, soltas. E além do mais, papai, observei que eles oram a Deus antes das refeições, enquanto que nós em casa sentamos à mesa falando de negócios, lucros, eventos sociais, daí comemos, empurramos o prato e pronto. No quarto onde fui dormir com o primo, passei vergonha, pois eu não sabia nenhuma oração, enquanto que ele se ajoelhou e agradeceu a Deus por tudo, inclusive pela nossa visita na casa deles. Lá em casa vamos ao quarto, deitamos e dormimos, sem sequer nos despedirmos. Outra coisa, papai, dormi na rede do primo, enquanto que ele dormiu no chão, pois não havia uma rede para cada um de nós. Na nossa casa colocamos a nossa empregada para dormir naquele quarto onde guardamos entulhos, sem nenhum conforto, apesar de termos camas macias e cheirosas sobrando.”

Conforme o menino foi falando, seu pai ficava cada vez mais chocado, sem graça e totalmente envergonhado. O seu filho na sua sábia ingenuidade e no seu brilhante desabafo, levantou-se, abraçou o pai e ainda acrescentou: - “Obrigado, papai, por me haver mostrado o quanto nós somos POBRES!”

Essa história nos faz lembrar palavras de Jesus no seu Sermão do Monte, quando o Salvador ensinou sobre a verdadeira felicidade: “Felizes as pessoas que sabem que são espiritualmente pobres... Felizes as pessoas humildes... Felizes as pessoas que têm misericórdia dos outros...” (Mt. 5.1ss).

Não é o que você é, o que você tem, onde está ou o que faz, que determinará a sua felicidade. Mas o que você pensa sobre isto! Tudo o que você tem, depende da maneira como você olha e da maneira como você valoriza. Se você tem a fé no perdão e salvação que Cristo lhe oferece, amor a Deus e ao próximo, e sobrevive nesta vida com dignidade, retidão e humildade, tendo atitudes positivas, partilhando com benevolência seus dons e talentos, então... VOCÊ TEM TUDO!

- Pastor Alaor Güths dos Santos

Publicado originalmente no boletim "Notícia e Informações da Igreja Luterana de Moema" nº12 em agosto de 2018.